NOTICIA-4551_reuniao_economus

Reunião com Economus sobre equacionamento de déficits no Fundo de Pensão

Dirigentes sindicais de todo o Estado de São Paulo reuniram-se nesta quinta-feira (02/02) com a diretoria do Economus, fundo de pensão dos funcionários do BB egressos do Banco Nossa Caixa, para discutir as Contribuições Extraordinárias para o Equacionamento do déficit e Fundo Previdencial. O encontro aconteceu na capital paulista, nas dependências da Gepes SP.

Lúcia Helena Cruz Moya Cuevas, Diretora Superintendente do Economus e também funcionária do BB incorporada do Banco Nossa Caixa, fez uma apresentação aos dirigentes sindicais e de entidades representativas dos funcionários sobre as contribuições extraordinárias dos planos dos grupos A, B e C. Segundo Lúcia, os três planos sofrerão contribuições extraordinárias para equacionamento dos déficits.

 

GRUPO A

Apresenta déficit de R$ 22 milhões e a contribuição extraordinária será de 2,94% ao mês. Para os assistidos será de 0,31%. O prazo para as contribuições será de 87 meses.

 

GRUPO B

Apresenta déficit de R$ 20 milhões. Os ativos já pagam 0,88% de contribuição extraordinária e este valor será mantido. Já aposentados e pensionistas contribuirão com percentual de 0,80%. O prazo para equacionamento deste plano será de 147 meses.

 

GRUPO C

Este plano abrange a maioria dos funcionários que estão ainda na ativa e apresentou déficits nos anos de 2013, 2014 e 2015, atingindo o montante de R$ 476 milhões. A legislação atual permite que o plano de benefício apresente um resultado deficitário, desde que seja respeitada a margem legal. Assim, foi definido que será equacionado 60% deste valor, ou seja, R$ 285 milhões. O montante remanescente, dependendo do cenário econômico nos próximos anos, também poderá ser equacionado.

Desta forma, as contribuições do Grupo C serão as seguintes:

– Ativos que optaram pelo saldamento contribuirão com 2,04% sobre o valor do benefício saldado;

– Aposentados e pensionistas pagarão 3,20% sobre o valor do benefício; O prazo para o equacionamento será de 198 meses.

Haverá também uma contribuição para um Fundo Previdencial com os seguintes percentuais:

Ativos – 4,19%

Aposentados – 1,98%

Pensionistas – 4,19%

Vale lembrar que as contribuições são paritárias, ou seja, o Banco do Brasil contribui com o mesmo percentual. O Economus ainda aguarda a aprovação dos planos de equacionamento pelos órgãos externos e a previsão é aplicar as contribuições extraordinárias a partir de fevereiro.

Além de dirigentes de sindicatos filiados à Federação dos Bancários de SP e MS, participaram da reunião representantes da AGEBB (Associação dos Gerentes do BB), AFACEESP (Associação dos Aposentados) e membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal do Economus eleitos pelos funcionários.

“Exposta a situação do Economus, a Federação irá avaliar o assunto com seus dirigentes, buscando saídas em defesa dos direitos dos trabalhadores e também irá cobrar do Banco do Brasil que haja mesas de negociação”, afirmou Davi Zaia, presidente da Federação dos Bancários de SP e MS.

Na foto, os dirigentes Rogério Marques e Dejair Besson, respectivamente do Sindicato dos Bancários de Franca e do Sindicato dos Bancários de Marília, que participaram da reunião.

Informações detalhadas do equacionamento do déficit de cada plano podem ser visualizadas no site: http://www.economus.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=366

 

Fonte:Contec

Comments are closed.